Compartilhe:

Evite o primeiro gole! Talhado em letras garrafais numa caixa de madeira e com uma lâmpada de cor vermelha a iluminá-lo, alertando para o perigo e a necessidade de sempre vigiar, esse é o conselho que vem sendo dado há 40 anos pelo Grupo de AA – Alcoólicos Anônimos – do Município de Tobias Barreto. O AA é uma instituição que não tem viés político ou religioso. Surgiu nos Estados Unidos, em 1935, quando o corretor da bolsa de valores Bill e o médico cirurgião Bob, ambos alcóolicos desenganados, se encontram para uma conversa. Os dois, baseados em suas experiências de vida, chegam a conclusão de que o alcoolismo é uma doença mental. Após conseguirem levar um paciente à sobriedade no Hospital de Akron, em Ohio, também nos EUA, os três, Bob, Bill e o paciente, formam o primeiro Grupo de AA. Em 1939, é lançada a cartilha dos Alcóolicos Anônimos, com os conhecidos Doze Passos para a Recuperação, e a Irmandade desenvolve-se rapidamente, chegando a outros países.

Foi no dia 10 de maio de 1980 que fulano de tal e ciclano, inspirados pelas ideias de Bil e Bob, realizam, dentro do holl da Biblioteca Pública Francisco Barreto do Rosário, a primeira reunião de AA de Tobias Barreto. Hoje, a irmandade continua a se reunir todas as terças e sextas-feiras, mas agora no salão da Sociedade de São Vicente de Paulo, na Avenida João Alves Filho, 706. Apesar de silencioso, o trabalho do grupo não passa despercebido. São inúmeros os relatos de pessoas que tiveram a sua vida e dignidade recuperadas. Nessa verdadeira terapia, não há remédio algum. Aqui, o anonimato permite que os companheiros (é assim que eles se tratam durante os encontros, pois cada um acompanha, literalmente, o outro) forneçam o medicamento da força de vontade de cada um através de suas experiências e conselhos, que eles mesmos os classificam como confissões.

Pedro Calisto, que é o atual RCG, ou seja, o representante de grupo, afirma que “o único requisito é parar de beber”. Além do RCG, cada grupo possui também um secretário, um tesoureiro e um coordenador, este último com um mandato de 3 ou 6 meses. O tesoureiro, José Francisco da Silva, veterano de mais de três décadas de frequência assídua nas reuniões, explica que “ há três tipos de reuniões: as reuniões fechadas, que permitidas apenas para os membros de AA; as reuniões semiabertas, quando há visitantes e as reuniões públicas, de carácter festivo ou solene”. 

Nas palavras do coordenador José de Jesus, “não importa se como coordenador ou sentado com os companheiros na plateia, o importante é prosseguir com o trabalho de AA”. É com esse mesmo entusiasmo que desejamos ao Grupo de AA de Tobias Barreto, muitas e muitas mais 24 horas de sobriedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *