Compartilhe:

Na noite de ontem (18/05), o governador de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD/SE), utilizou suas redes sociais para garantir que o cronograma de vacinação para os profissionais da Educação deverá ser anunciado na sexta-feira, 21 de maio. Ele confirmou que serão vacinados os professores, merendeiros, vigilantes, oficiais administrativos e executores de serviços básicos de instituições públicas e privadas de todo o Estado.

“A prioridade, neste primeiro momento, é de imunizar os profissionais ligados diretamente ao Ensino Infantil, que já retornaram às aulas presenciais, e aos 1º e 2º anos do Ensino Fundamental, cujo retorno ao ensino presencial já está autorizado”, escreveu Belivaldo.

Projeto de Lei 97/2021

Na mesma data, mais cedo, o presidente da Associação Docente das Redes Públicas do Estado de Sergipe (ADRPES), José Francisco Andrade dos Santos (Chiquinho), e a tesoureira, Josineide Santos, estiveram na ALESE, onde foram recebidos em audiência pelo deputado Luciano Bispo, atual presidente.

Na conversa, os professores solicitaram que o Projeto de Lei 97/2021 fosse colocado em apreciação na Casa. “Nós solicitamos uma audiência com o presidente Luciano Bispo com a finalidade de colocar pra ele a importância de os deputados votarem o Projeto de Lei 97/2021, que atende aos interesses da categoria como um todo; não só dos nossos associados, para que o retorno às aulas seja somente após a vacinação completa”, disse José Francisco.

Foto: Joel Luiz/ALESE

De autoria do deputado Gilmar Carvalho (PSC/SE), o PL 97/2021 condiciona o retorno das aulas presenciais na Educação Básica de Sergipe à prévia imunização dos profissionais de Educação de Sergipe e de toda a comunidade escolar.

O presidente da ALESE, Luciano Bispo, destacou: “Eu conversei com eles de uma maneira franca e bem sincera e disse que pode contar com o nosso apoio para que haja uma solução quanto à vacinação dos professores. Mas também brinquei com eles, alertando que, quando os professores estiverem vacinados, que não deixem de ministrar aulas alegando que os alunos não estão vacinados”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *