Compartilhe:

Via ONU – texto na íntegra

Os assassinatos de pessoas com albinismo aumentou durante a pandemia de COVID-19, disse, na quinta-feira (28), a especialista independente nomeada pela ONU para os direitos das pessoas com albinismo, Ikponwosa Ero.

A especialista explicou que, com o aumento da pobreza, mais pessoas estão recorrendo a feitiços em busca de riqueza rápida. Em alguns países e regiões há a “crença equivocada” de que usar partes do corpo de pessoas com albinismo em poções pode trazer sorte e riqueza. Segundo Ero, a maioria das vítimas são crianças. 

O Conselho de Direitos Humanos aprovou uma resolução inovadora no início deste mês condenando as violações dos direitos humanos cometidas por meio de acusações de bruxaria e ataques rituais e pediu por uma consulta internacional e recomendações sobre o assunto.

Mais ação necessária – A especialista disse estar grata por ter havido muito progresso em vários continentes nos últimos seis anos, “mas ainda há muito a ser feito”. 

Ela citou um plano de ação regional sobre o albinismo na África e campanhas de conscientização na África e em outros lugares, incluindo em países como Brasil, Japão e Fiji.

A pesquisa sobre albinismo aumentou mais de dez vezes e uma explosão de dados e informações confiáveis ​​aumentou a compreensão de como o direito à saúde, educação e direitos das pessoas com deficiência e discriminação racial pertencem às pessoas com albinismo.  

Longo caminho pela frente – Também aumentou a compreensão dos direitos das mulheres e crianças afetadas pelo albinismo e a necessidade de proteção contra práticas prejudiciais.

“Embora tenhamos avançado muito na luta contra esses atos hediondos, o caminho à frente continua longo e árduo”, disse Ero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *